expo

Famílias europeias: a arte europeia convida-nos à reflexão

A/o artista questiona, interroga o mundo, e é este questionamento constante que partilhamos na exposição Famílias arco-íris: a arte europeia convida à reflexão.

As obras apresentadas interpelam quem as ad-mira a deter-se numa realidade social nem sempre visível nas sociedades europeias contemporâneas.

Mesmo antes de questionar o significado das imagens, de introduzir a reflexão, o olhar de cada artista abre um espaço de visibilidade às famílias arco-íris, frequentemente relegado para a ideação objetificante.

Além da temática, a especificidade desta exposição reside no facto de promover o diálogo entre artistas com origens muito diferentes (Alemanha, Bósnia-Herzegovina, Dinamarca, Espanha, Itália, Suíça, etc…), propondo ainda um olhar interessante sobre a criação local, nacional e internacional.  Esta variedade espelha as intenções da NELFA (rede europeia das associações de famílias LGBT) pois evidencia as várias realidades sociais das famílias arco-íris, de um lado ou outro da fronteira, na Europa.

Este artistas contemporâneos, expressando-se através da fotografia, do desenho, da escrita numa abordagem plástica ou do documentário, trazem-nos um olhar único e uma abordagem sensível, fundada ou inspirada nas histórias de vida de crianças, mães e pais que são famílias arco-íris e na sua vivência quotidiana.

Em Famílias arco-íris: a arte europeia convida à reflexão trata-se de humanizar a imaginação, povoar a estética de ética, descobrir o belo na diversidade.

Criada pela APGL (associação de pais e mães e futuros/as pais gay e mães lésbicas – França) e patrocinada pela  NELFA, estaexposição itinerante partiu de Paris no final do Outono de 2010 e percorrerá grande parte das cidades europeias até 2012.

Lisboa é a terceira cidade a acolhê-la.

Amélie Cabocel, artista e comissária da exposição

A exposição pode ser visitada no ISCTE até ao dia 21 de Outubro.

 

European Families: european art invites us to think

The artist questions and interrogates the world; it is this constant questioning that we share at the exhibition Rainbow families: European art invites thought
The pieces in display ask those who admire them to stop and reflect upon a social reality that is not always visible in contemporary European societies.
Even before questioning the meaning of the images and before leading up to reflection, each artist’s vision creates a space of visibility for rainbow families, frequently relegated to objectifying ideation.
Besides the theme, another specificity of this exhibition is that it promotes dialogue among artists from different countries of origin (Germany, Bosnia-Herzegovina, Denmark, Spain, Italy, Switzerland, etc.), suggesting and interesting perspective on local, national and international creation. This variety mirrors the intentions of NELFA (Network of European LGBT Family Associations) in showing the several social realities of rainbow families on several sides of several borders across Europe.These contemporary artists that express themselves through photography, drawing, writing as fine art, or documentary, bring us a unique outlook and a sensitive approach that is inspired or based on life stories of children, mothers and fathers that make up rainbow families, and on their daily existence.In Rainbow families: European art invites thought imagination is made human, aesthetics is populated by ethics and beauty is found in diversity.Created by APGL (association of gay and lesbian parents and future parents – France) and sponsored by NELFA, this traveling exhibition left Paris in the Fall 2010 and will stop at many European cities until 2012. Lisbon is the third city to welcome it.

Amélie Cabocel, artist and exhibition commissioner

The exhibition will be at ISCTE until October 21st.